CRISE NO PARQUE EDUARDO VII

CRISE NO PARQUE EDUARDO VII

pel’ A Comuna – Teatro de Pesquisa

dia 7 de Abril 2018 . 22 horas

Cine-Teatro Garrett (Póvoa de Varzim)

Baseado em I’M NOT RAPPAPORT de Herb Gardner

Versão Cénica e Encenação – João Mota Interpretação: Carlos Paulo – João Bento; Igor Sampaio – Hugo Válter; Hugo Franco – Daniel; Maria Ana Filipe – Lina; Miguel Sermão – Raimundo (Chulo);Gonçalo Botelho – Diogo; Elsa Galvão – Catarina

 

Destilar a vida…

Dois velhos sentados num banco de jardim…O tempo parece suspenso nas horas imóveis do parque, no outono esquecido da vida. Adivinham se as voltas do mundo na música que vem de longe, da infância ou do futuro, e que nos vai ensinando que “a beira do fim é tão preciosa como a beira do principio”. Aparentemente, tudo está parado numa peça sobre a fronteira em que a vida quase se despede de quem quase se despede da vida. Mas “Crise no Parque Eduardo VII” é teatro que subverte as aparências, mostrando como a vida se inventa em cada palavra e em cada gesto do entardecer.

Dois velhos, sentados num banco de jardim…Poderiam ser o palhaço rico e o palhaço pobre, ou Arlequim e Pierrot, ou Vladimir e Estragon à espera de Godot… Mas, sem deixarem de ter um pouco de cada um destes pares de personagens, João Bernardo e Hugo, D. Quixote e Sancho Pança, nas suas tensões, na sua complementaridade, no seu jogo perante o mundo, nas contradições de que se faz o seu e o nosso carrocel da vida. É por isso que esta peça não é apenas uma comédia, nem é apenas uma tragédia, mas é uma comédia às costas da tragédia e, simultaneamente, uma tragédia vestida de comédia. É o riso cravado no drama do quotidiano. É o sonho encenado no realismo existência, o inconformismo que tropeça nas rasteiras da idade, o humor que rasga, com a sua ternura, as certezas cinzentas do dia-a-dia de quem aparece condenado a esperar que o dia anoiteça.

Um velho, porteiro reformado, prestes a ser arrumado no baú das recordações, a contar com mais um dia depois do dia que aí vem: “Somos velhos, não somos ricos e cometemos o pecado de viver devagar”. Outro velho, comunista, ainda e sempre, com a fé suficiente para mudar o mundo e salvar os homens: “as ideias continuam a ser boas e belas, as ideias mantêm-se, são melhores que as pessoas que lhes deram origem”. E desfilam pela cena pedaços da cidade que lhes pertence e a que eles também pertencem: Daniel, o Presidente da Comissão de Condóminos, Laura, ex-toxicodependente, perseguida pelo passador, que não quer o nome em saldo na praça pública, Diogo, o jovem que “crava” três notas para proteger os velhos de si próprio, e Elsa, a filha de João Bernardo que se esqueceu dos seus ideais revolucionários e o quer pôr num lar de terceira idade, para poder chegar tranquila ao fim da semana. E, perante este desfile, João, o Dom Quixote do Parque, arrasta Hugo, o seu Sancho Pança, para o teatro em movimento, o teatro dentro do teatro: “a gente serve-se da personalidade que dá mais jeito na ocasião”: espião, advogado, capitão da polícia, chefe da Mafia, deputado jubilado, tubarão da cidade…

João e Hugo, protagonistas de “Crise no Parque Eduardo VII”. Dois velhos, nos seus corpos quase parados num banco de jardim. Mas vivos, “autênticos milagres da natureza”. Tudo menos inúteis: “Digam-lhe que é lento ou que é estúpido, mas se lhe dizem que é inútil isso já é um pecado, um pecado contra a vida, é fazer aborto pelo outro lado”.

Nesta peça os protagonistas têm o corpo do seu corpo, mas têm também a força das suas palavras e das suas ideias, que evoluem como personagens numa cena quase vazia: “Está tudo na cabeça…O corpo andou sempre atrás, à boleia!…”

“Crise no Parque Eduardo VII”, mais do que uma peça sobre o entardecer da vida, é um hino à capacidade de a inventar no palco dos nossos sonhos e nos bastidores das nossas fraquezas. Como se as notas soltas de um piano se transformassem destiladamente no realejo de um carrocel em que o dia recomeça…

João Maria André

 

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA
Baseado em I’M NOT RAPPAPORT de Herb Gardner
Tradução – João Paulo Moreira Adaptação, Versão Cénica e Encenação – João Mota Interpretação: Carlos Paulo – João Bento; Igor Sampaio – Hugo Válter; Hugo Franco – Daniel; Maria Ana Filipe – Lina; Miguel Sermão – Raimundo (Chulo);Gonçalo Botelho – Diogo; Elsa Galvão – Catarina;
Cenografia – João Mota e Renato Godinho Desenho de Luz – Paulo Graça Figurinos – Carlos Paulo Fotografia e Imagem – Bruno Simão Design Gráfico – R2 Spot Publicitário e Vídeo – Eduardo Breda Operação de Luz e Som – Rogério Vale Técnicos de Montagem – Renato Godinho, Assunção Dias, Rogério Vale e Timóteo Cadão Apoio ao Guarda- Roupa – Assunção Dias Assistência Geral: Selma Meira e Mariana Antão Gabinete de Produção: Rosário Silva e Carlos Bernardo

 

 

 

 

 

INFO ADICIONAL:

A TEmporada TEatral na Póvoa de Varzim é programada pelo Varazim Teatro com Apoio da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim e do Cine-Teatro Garrett

Bilhetes Cine-Teatro Garrett | FNAC, Worten e CTT | online em www.bol.pt
**
Reservas a partir do email vt@varazimteatro.org e dos telefones Varazim Teatro 916439009 | 912420129 | Cine-Teatro Garrett – 252090210
**
BILHETES: 7,00€ | Com desconto para Estudantes, Reformados, menores de 25 anos e maiores de 65, desempregados, pessoas portadoras de deficiência, grupos de 8 pessoas – 5,00€ |Associados ao Varazim Teatro: 3,50€

Anúncios