O Fascismo (Aqui) Nunca Existiu

OFANE-A3

 

O Fascismo (Aqui) Nunca Existiu

Teatro Art’Imagem

Texto, Dramaturgia, Direção e Encenação José Leitão

 

Sinopse:

O primeiro espetáculo de um tríptico teatral denominado “IDENTIFICAÇÃO DE UM (O MEU!) PAÍS” sobre a vida em Portugal nos últimos 70 anos, de 1945 até aos nossos dias.

Esta primeira abordagem, abarca o período que vai de 1945, ano em que terminou a Segunda Guerra Mundial e em que nasceu a personagem, um homem que dá testemunho de como foi viver em Portugal nesses tempos, até à manhã do 25 de Abril de 1974. Um olhar muito pessoal, uma revisitação, uma retrospetiva do quotidiano da(s) vida(s) de um português e dos portugueses, através de alguém que, intervindo ativamente na vida política, social e cultural do nosso país, interpreta com os olhos de hoje, as suas vivências pessoais e os acontecimentos nacionais e globais que o marcaram como pessoa e nos marcaram como povo. Como o poeta, diz a personagem, VIVER PARA CONTAR.

Histórias, uma verdadeiras (ou mais ou menos) outras inventadas do seu pequeno mundo, próprias, da sua família ou dos seus vizinhos da ilha do Porto em que habitou durante a sua infância e juventude, misturadas com a vida das personagens e heróis que conheceu nos seus primeiros livros e filmes, na telefonia onde o mundo (ainda que censurado) entrava em sua casa, a primeira que teve um rádio em todo o bairro, antes do aparecimento da televisão que o apanhou já rapazote, das notícias e acontecimentos que diariamente acompanhava pelos jornais e as longas conversas com os outros que lhe contavam o mundo.

 

O MUNDO EM QUE VIVI, vivemos!

A pobreza, a fome, o medo, a condição e a luta das mulheres, as eleições do regime, o movimento sindical, as greves, a emigração, a tropa, a guerra colonial, a PIDE, a prisão e a tortura, as manifestações, as lutas, a igreja e o estado, os estudantes, a oposição, a descoberta do Teatro…a liberdade a (não) passar por aqui!

A história do País, do nosso Mundo.

 

M/12 | 90M (aprox.)

 

Ficha Técnica e Artística Texto, Dramaturgia, Direção e Encenação José Leitão Assistência de Encenação Daniela Pêgo Interpretação Flávio Hamilton, Inês Marques, Luís Duarte Moreira, Patrícia Garcez e Susana Paiva Direção Técnica, Desenho de Luz e Vídeo André Rabaça Direção de Movimento Costanza Givone e Daniela Cruz Figurinos Luísa Pinto Espaço Cénico José Leitão e José Lopes Música de Pedro ´Peixe` Cardoso Fotografia Paulo Pimenta Produção Sofia Leal e Daniela Pêgo

 

INFO ADICIONAL:

A TEmporada TEatral na Póvoa de Varzim é programada pelo Varazim Teatro com Apoio da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim e do Cine-Teatro Garrett

Bilhetes Cine-Teatro Garrett | FNAC, Worten e CTT | online em www.bol.pt
**
Reservas a partir do email vt@varazimteatro.org e dos telefones Varazim Teatro 916439009 | 912420129 | Cine-Teatro Garrett – 252090210
**
BILHETES: 7,00€ | Com desconto para Estudantes, Reformados, menores de 25 anos e maiores de 65, desempregados, pessoas portadoras de deficiência, grupos de 8 pessoas – 5,00€ |Associados ao Varazim Teatro: 3,50€

 

Sobre a Companhia Art’Imagem:

Estrutura financiada pela Ministério da Cultura / DG Artes, fundada em 1981, integra actualmente três gerações de profissionais. Tem a sua sede no Porto, e através de um protocolo com a Câmara Municipal da Maia é responsável pela programação do Auditório da Quinta da Caverneira, em Águas Santas.

Estreamos, em média, três espectáculos por ano. Um novo autor contemporâneo, a revisitação de um clássico e a adaptação de um grande autor da literatura universal para jovens, constituem o vértice da criação artística. O recurso a diversas disciplinas teatrais e o diálogo com as novas linguagens são também caminhos para a captação e diversificação de públicos. Nos últimos anos os autores contemporâneos representados têm sido maioritariamente de língua portuguesa.

Os nossos espectáculos têm estreias e temporadas no Porto e na Maia e são levados a todo o território nacional, com uma média de 120 representações anuais e participações em vários festivais de teatro. Nos anos 80 fizemos 15 digressões internacionais (várias vezes por Espanha, Bélgica, Checoslováquia, França, Áustria e Alemanha). Nos anos 90 realizamos 16 digressões (por França, Espanha, Bélgica, Inglaterra e Dinamarca). Desde o ano 2000 já fizemos mais de duas dezenas de digressões a Espanha, Brasil, Cabo Verde e França.

Desde 1982 organizamos o terceiro festival mais antigo do país, o “Fazer a Festa – Festival Internacional de Teatro”, por onde já passaram as mais representativas companhias nacionais e galegas, várias companhias brasileiras e muitas outras de países europeus.

Desde 1994, em colaboração com a Câmara Municipal da Maia, organizamos anualmente o Festival Internacional de Teatro Cómico da Maia, onde programamos os melhores espectáculos deste género, de Portugal e de Espanha, e por onde passaram já também companhias do resto da Europa, América, África e Oceânia.

Além da “Maia ao Palco – Mostra de Teatro de Amadores da Maia” que a companhia organiza desde 2008, temos actividades regulares de formação teatral para crianças, jovens e seniores e somos responsáveis pela Programação Regular de Teatro do Auditório da Quinta da Caverneira, em colaboração com a CM Maia.

A partir de 2009 organizamos o “MAD – Mostra Anual de Dramaturgia”.

Anúncios